fbpx

Capitalismo em quarentena

Os acontecimentos atuais só podem ser compreendidos se inserirmos a “crise do vírus” no panorama mais amplo do processo de crise fundamental do capitalismo, sistema que agora se confronta com seus limites históricos

Capitalismo em quarentena: notas sobre a crise global é um livro transnacional escrito a oito mãos por jovens pensadores críticos do Brasil, da França e da Alemanha para intervir no debate urgente sobre os futuros possíveis e necessários do pós-covid.

Com precisão e irreverência, Anselm Jappe, Gabriel Zacarias, Sandrine Aumercier e Clément Homs analisam a política e a economia da pandemia e, a partir das medidas adotadas (ou não) pelos governos de distintos países, inclusive o Brasil, constróem um panorama do mundo porvir.

Capitalismo em quarentena: notas sobre a crise global é o primeiro título da coleção Crise & Crítica, que será publicada pela Editora Elefante com curadoria de Gabriel Zacarias, professor de história da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). O próximo livro será A sociedade autofágica: capitalismo, desmesura e autodestruição, do alemão Anselm Jappe.

A crise do novo coronavírus foi, em muitos aspectos, sem precedentes. Não apenas pela rapidez com que uma doença foi capaz de se alastrar em escala planetária — anunciando um futuro temerário para a época dos fluxos globais —, mas sobretudo por conta das reações que suscitou.

Assistimos a um bloqueio geral da economia mundial e à imposição de medidas de confinamento populacional em quase todo o planeta. Temendo por sua sobrevivência, o capitalismo global colocou-se em quarentena.

Mas os acontecimentos atuais só podem ser compreendidos se inserirmos a “crise do vírus” no panorama mais amplo do processo de crise fundamental do capitalismo, sistema que agora se confronta com seus limites históricos, tanto internos (a desvalorização do valor) quanto externos (a ameaça de colapso ambiental).

A quarentena autoimposta do capitalismo foi, para este, um mal necessário para continuar existindo. Mas esse remédio amargo pode ter um perigoso efeito colateral, tendo aumentado exponencialmente a montanha de dívidas impagáveis que ameaça desabar a qualquer instante.

A avalanche nos arrastará, em sua queda abrupta? Ou teremos aprendido algo com o breve pause do sujeito automático?

You may also like